Um papo a bordo de uma nave

Passear de v8 devagar, conversando e matando saudades, não tem preço!

Anúncios

O que houve de errado?

Eu havia pensado em utilizar essa caixa acústica National-Panasonic SS8000 para um primeiro projeto de personalização de equipamentos de audio, com a colocação de divisores de frequência mais adequados, conectores traseiros de qualidade e um acabamento externo esmerado.

Não imaginava que a base de meu primeiro projeto estava totalmente comprometida.

Tudo indicava que seria um projeto bacana pela frente…

…mas por trás as noticias não eram boas.

O que eu tinha diante dos meus olhos era um projeto sendo abortado. Os cupins atacaram o aglomerado do gabinete (mas não do painel frontal), tornando todo o conjunto muito frágil. Não havia percebido o tamanho do estrago até abrir a tampa traseira – imaginava que era um esfarelamento pela falta de cuidado até então.

É como fazer um remendo novo em calça velha: o desafio não teria recompensa alguma. Custo alto, benefício baixo.

Ao menos os alto-falantes não foram comprometidos. Eu os retirei do gabinete para aproveitá-los em um outro projeto. Não desperdicei tempo e dinheiro na montagem dos divisores e de um novo painel traseiro.

Como esse woofer foi fabricado no final da década de 70, não teríamos disponível os parâmetros Thiele-Small a fim de projetar um novo gabinete aproveitado o máximo da capacidade. Vou contratar um profissional para levantar os dados e, daí, gerar a curva de rendimento usando software WinISD. Considerando a litragem calculada a partir de tais parâmetros, o ajuste dos componentes estará otimizado nas baixas frequências; médios-altos ficarão por conta do ajuste do divisor, característica possível somente no modelo que importei.

Quero botar minha veia criativa adiante, meus conhecimentos de marcenaria à prova e jogar meu ócio no ralo. Aliás, tenho disponível 1 par de 10″ e um outro par de 8″ para os mesmos projetos. A minha criatividade está indo longe…flying so high!

Não pude resistir: história sobre história.

No horário do meu almoço volto cedo do restaurante para assistir alguns vídeos selecionados no youtube, onde estou inscrito em vários canais. Num um deles, HAGERTY, tenho o deleite de acompanhar e rever quando posso os episódios do “The Barn Find Hunter”, que busca por carros antigos em todo território americano, quase sempre com sua Ford Woodie.

O problema é que no episódio #10, o host dirige pelo setor decadente de Detroit (Michigan) donde eu consegui tirar um still (foto) de onde ele passava no momento da abertura. Provável base fabril da Packard, onde um pórtico atravessa a rua e ostenta seu nome e um relógio que há muito não é útil. A imagem dura alguns poucos segundos mas simboliza a decadência do lugar e a beleza que resiste ao tempo.

Aliás cabe aqui contar uma breve história…

Estudei na Universidade Santa Úrsula com algumas pessoas que ainda fazem parte de meu ciclo de amizades. Dentre eles alguns veteranos que infelizmente perdi o contato. Nicolas Jancson, nosso colega da época, Engenheiro e Mecânico de mão cheia, habilidosíssimo e pessoa sem limites para criatividade era sempre um bom papo. Por 2 oportunidades ele viajou aos EUA para estagiar e lembro de uma das vezes, numa forjaria.

Quando ele retornava ao Brasil todos nós ficávamos ouvindo as histórias muito interessantes, recheadas de humor e com uma clareza de ambiência que poucos sabem relatar. Durante uma dessas conversas ele havia contado que, como trabalhou em Michigan, teve a oportunidade de visitar a parte antiga de Detroit. Relatou com riqueza de detalhes o estado dos prédios e o total abandono do lugar. Estarrecido perguntei o motivo disso e a resposta foi clara: é muito caro reformar; melhor construir tudo novo do jeito que precisamos.

Vendo esse video abaixo tenho a certeza de que ele vivenciou o que contou, portanto não era um mentiroso. De um total até agora de 23 episódios, o de número 10 ao qual me refiro está aqui embaixo.

Postagens todas as segundas-feiras

É isso mesmo…todas as segundas-feiras farei postagens sobre carros, motos, som e antiguidades em geral. Sempre que possível terá também videos produzidos por mim e carregados no youtube.

Enquanto isso vamos desfrutando do “eye-candy”.

 

 

 

Shopping hifi e hiend em Singapura [VIDEO]

Eu já havia postado minhas impressões sobre o Shopping Adelphi em Singapura no link https://v8andvintage.wordpress.com/2014/10/01/shopping-de-hi-fi-e-hi-end-em-singapura , mas não havia carregado o video que havia feito. Talvez por receio, lugar onde tudo é proibido dentro de uma democracia parlamentarista, o audio é baixo e câmera discreta.

O choque continua o mesmo. Continuo babando por aqui. A concentração de lojas com produtos incríveis é fora do comum. Os preço são equivalentes aos dos EUA, mas não tenho notícias de um shopping dedicado ao tema.

No Japão há prédios temáticos, com lojas de vinil em um andar, aparelhos em outros…mas nada tão grande como esse.

Imprimindo uma marca, parte 2

Os poucos que leram o meu post anterior (https://v8andvintage.wordpress.com/2017/05/08/imprimindo-uma-marca/) podem ter ficado com dúvida sobre o real propósito de criar uma marca. Acho que aqui não só vou esclarecer como colocar no papel meus pensamentos.

1 – Carros:

Adquiri um conhecimento razoável e participei de alguns projetos que me deram experiência para iniciar os meus próprios de personalização. Quando escrevo personalizar recaio sobre o termo em inglês Bespoke, que traz ao seu empenho a característica básica que não se repetiria em outro projeto.

Eu não fiquei restrito a execução dos projetos, mas também no planejamento de vários deles. Tenho em minha mente os Lessons Learned, onde aprendi muito com os erros do outros. Não é cópia; é aprendizado.

2 – Motos:

Quando mais jovem e durante férias frequentava muito a oficina mecânica do Issa, em Barra de São João, local que só no início levei minha mobilette para manutenção. Depois disso passei a fazer eu mesmo esse trabalho.

Isso não me limitou a ficar nesse mundinho do aro 17″, mas eu aproveitava cada minuto para aprender sobre outras motos. Nesta mesma época acompanhava um colega chamado Douglas, que tinha a sorte de ter algumas motos dos meus sonhos:

  • RD350 1973;
  • GT 250 1972;
  • RD350 1997;
  • K900 1970;
  • CB450 1988.

Mexia dali, fuçava daqui, sonhava acolá. E me diverti muito.

O meu dia a dia é de acompanhar e inspecionar fabricação mecânica, soldagem, montagem, pintura, acabamento, testes, cálculos, emitir relatórios, atender auditorias…mais experiência agregada. E posso levar todo esse conhecimento para a construção de equipamentos personalizados.

3 – Som vintage:

Talvez seja o tema onde teria mais conhecimento mas menos habilidade manual. A curva de aprendizado foi gerada enquanto fui responsável por manutenção de equipamentos inclusive eletrônicos, somado ao que aprendi na Universidade me permitem opinar e fazer as melhores escolhas.

Novo madeiramento, novo acabamento, novos gabinetes, todos recaem sobre fabricação mecânica onde já atuo. No caso de eletrônica pesada, como sempre fiz, passarei para mão de terceiros.

Aliás, taí um mito no ramo da personalização: a terceirização.

Não há espaço hoje para que haja uma horizontalização das atividades empresariais. Em grandes empresas antigas que visitei, muitas delas tiveram ativas um setor de marcenaria onde fabricavam o próprio mobiliário. Hoje isto soa absurdo, considerando a quantidade de fabricantes de mobiliário existentes no mercado de alta qualidade.

Muitos empresários tem a idéia e a capacidade de gerenciar, que por fim terceirizam todas as atividades meio.

Não há nada de mal nisso e não vejo outra alternativa. Contrate os melhores e serás um deles.