Heathkit AA-14: etapa da restauração eletrônica

O pequeno notável agora funciona normalmente, com qualidade que inicialmente me impressionou. Mas para que isso acontecesse, tive de recorrer a um artifício técnico-esotérico: trocar de caixas acústicas.

Meu pai usava um par de caixas National-Panasonic de um 3×1 desfeito pelo meu sobrinho. Estas me foram doadas por ele mas a falta de espaço não me permitiu utilizá-las. Na ocasião deixei com meus pais para que pudessem ouvir música, ligadas aos diversos receiveres e amplificadores que disponibilizei. Na última configuração, o som do Sansui 1000x me parecia muito velado, sem brilho algum, provavelmente pelo cansaço de seus componentes. Eu o colocaria para descanso (no banco de reservas) assim que tivesse uma oportunidade de substituição…

 

“SUDERJ INFORMA SUBSTITUIÇÃO: sai Sansui, entra Heathkit”

 

Mas para minha surpresa, o Heath também me pareceu velado e sem força na armação das jogadas. Eu já havia planejado substituir esse par National e colocar o Samsung no ataque, também oferta do meu sobrinho. Caixas menores e mais modernas, estavam sem uso desde que desmobilizei de Angra dos Reis e trouxe tudo de volta – confirmando que a minha decisão foi correta…

 

“SUDERJ INFORMA SUBSTITUIÇÃO: sai National, entra Samsung”

 

E aí o time se azeitou!!! Tudo passou a funcionar melhor, que estava sando vaiado passou a ser aplaudido. A troca de passes passou a funcionar sem erros, bola chegando na área e o jogo foi vencido com folga, onde minutos antes o temor era de derrota. Tudo isso que escrevo aqui foi presenciado pelo público pagante.

 

“BURRO, BURRO, BURRO…”,

 

gritava a torcida antes da revolução acontecer. Agora a galera ovaciona:

 

“OLE, OLA…O HEATHKIT TÁ BOTANDO PRA QUEBRÁ!!!”

 

Nem tanto ao mar, nem tanto à terra. O conserto não o fez tocar como um Phase Linear, um Accuphase, um MBL; o que o fez foi reproduzir de forma muito mais equilibrada do que poderíamos esperar de um amplificador criado para ser montado por crianças e amadores – projeto do inicio da década de 70, onde as tolerâncias eram muito maiores e as exigências pífias.

Caro leitor: você já tem ideia dos elementos que participaram e fizeram com que todo o processo apresentasse um resultado tão bom? Espere o próximo post do blog para debatermos então.

Anúncios

Não pude resistir: história sobre história.

No horário do meu almoço volto cedo do restaurante para assistir alguns vídeos selecionados no youtube, onde estou inscrito em vários canais. Num um deles, HAGERTY, tenho o deleite de acompanhar e rever quando posso os episódios do “The Barn Find Hunter”, que busca por carros antigos em todo território americano, quase sempre com sua Ford Woodie.

O problema é que no episódio #10, o host dirige pelo setor decadente de Detroit (Michigan) donde eu consegui tirar um still (foto) de onde ele passava no momento da abertura. Provável base fabril da Packard, onde um pórtico atravessa a rua e ostenta seu nome e um relógio que há muito não é útil. A imagem dura alguns poucos segundos mas simboliza a decadência do lugar e a beleza que resiste ao tempo.

Aliás cabe aqui contar uma breve história…

Estudei na Universidade Santa Úrsula com algumas pessoas que ainda fazem parte de meu ciclo de amizades. Dentre eles alguns veteranos que infelizmente perdi o contato. Nicolas Jancson, nosso colega da época, Engenheiro e Mecânico de mão cheia, habilidosíssimo e pessoa sem limites para criatividade era sempre um bom papo. Por 2 oportunidades ele viajou aos EUA para estagiar e lembro de uma das vezes, numa forjaria.

Quando ele retornava ao Brasil todos nós ficávamos ouvindo as histórias muito interessantes, recheadas de humor e com uma clareza de ambiência que poucos sabem relatar. Durante uma dessas conversas ele havia contado que, como trabalhou em Michigan, teve a oportunidade de visitar a parte antiga de Detroit. Relatou com riqueza de detalhes o estado dos prédios e o total abandono do lugar. Estarrecido perguntei o motivo disso e a resposta foi clara: é muito caro reformar; melhor construir tudo novo do jeito que precisamos.

Vendo esse video abaixo tenho a certeza de que ele vivenciou o que contou, portanto não era um mentiroso. De um total até agora de 23 episódios, o de número 10 ao qual me refiro está aqui embaixo.

Postagens todas as segundas-feiras

É isso mesmo…todas as segundas-feiras farei postagens sobre carros, motos, som e antiguidades em geral. Sempre que possível terá também videos produzidos por mim e carregados no youtube.

Enquanto isso vamos desfrutando do “eye-candy”.

 

 

 

Shopping hifi e hiend em Singapura [VIDEO]

Eu já havia postado minhas impressões sobre o Shopping Adelphi em Singapura no link https://v8andvintage.wordpress.com/2014/10/01/shopping-de-hi-fi-e-hi-end-em-singapura , mas não havia carregado o video que havia feito. Talvez por receio, lugar onde tudo é proibido dentro de uma democracia parlamentarista, o audio é baixo e câmera discreta.

O choque continua o mesmo. Continuo babando por aqui. A concentração de lojas com produtos incríveis é fora do comum. Os preço são equivalentes aos dos EUA, mas não tenho notícias de um shopping dedicado ao tema.

No Japão há prédios temáticos, com lojas de vinil em um andar, aparelhos em outros…mas nada tão grande como esse.

Quasar QA7070 e suas entranhas

“Ó duvida cruel: restaurar ou não restaurar?”

Ele anunciado do jeito que está não consigo atrair compradores. O preço está bom e mesmo para quem queira revender e obter lucro, ainda há uma margem para isso. A minha idéia agora é restaurar, utilizar e voltar com anúncio de venda com um preço mais alto, considerando tudo que será gasto no serviço.

Eu entendo quem não queira comprar um aparelho que não funciona pois o trabalho pode ser em vão. Sem começar a futucar, não é possível dizer se é recuperável ou não. Portanto, vou apostar na venda do aparelho em funcionamento.

Enquanto isso fico somente mostrando suas entranhas…

Testando o Gradiente LAB 40 (pra valer!)

Este amplificador já havia sido mostrado aqui no blog, mas tinha sido uma prévia do funcionamento quando chegou aqui em casa.

Tirando o fato de que o técnico esqueceu de trocar a lâmpada-piloto (nada de extraordinário), o amplificador funciona muito bem e considero o serviço bem feito. Percebi como característica mais evidente os graves beeeem mais poderosos que o AKAI, sendo que ambos são próximos em termos de potência nominal. Por causa disso é percebido no video abaixo que eu diminuo a intensidade dos graves para uns 30% da escala; caso contrário ficaria muito desconfortável em uma sala sem acabamento acústico algum. Foi sentido também de que os médios dele não são pronunciados, o que entendo ser uma característica do aparelho (Assinatura Sônica). Se eu decidisse instalar as caixas Polyvox VOX 70s que possuem médios mais vivos, vai tocar de forma mais equilibrada do que o par que há hoje montado. As características acima descritas eu havia percebido enquanto usava as BRAVOX BBR83 (que estão anunciadas para venda), ouvindo meus VHS e DVD como um home-theater, mas percepção foi ofuscada pela novidade de ouvir cada um deles funcionando pela primeira vez.

Aliás, dificilmente você percebe algo de errado quando ouve um setup pela primeira vez. É muito difícil determinar quem é o responsável pelo desequilíbrio, se percebido em tão pouco tempo. Normalmente você leva algumas horas para detectar os problemas e o provável causador de tal informação. Uma análise combinatória de características e possibilidades permitem que você chegue a um resultado mais razoável, exceto se você fez escolhas completamente erradas para seleção. Outro problema é causado pela sua memória, que faz uma exclusão de todas as suas experiências anteriores. Um novo cabo de interconexão sempre parecerá melhor do que o anterior, pois seu cérebro adora as novidades. Há uma tendência natural de que essas novas experiências pareçam mais vantajosas do que aquela que estava posta.

Neste vídeo eu fiz questão de gravar com um volume mais baixo para que o sistema de gravação de audio do BlackBerry não atenuasse como ocorreu nos videos anteriores. Tenho certeza de que deu certo.

 

Decidi também usar música livre de direitos autorais. As escolha foi próxima ao meu gosto, que permitisse passar qualidade na gravação. A lista disponível no youtube é enorme, mas depende muito das suas preferências para ter uma seleção de músicas.

Com a pulga: Heathkit AA-14

Eu anunciei esse amplificador para venda nas principais redes de vendas e sociais, pois não pretendo ficar com esses amplificadores menores.

Em um anúncio, um prospectivo comprador perguntou quais eram os transistores de saída, pois eu havia relatado que um dos canais apresentava um volume muito superior do que o outro. Naquela época o “tenico” disse que isso se dava porque um dos transistores era de germânio e o outro de silício. Nesse caso, o germânio tem um ganho muito maior que o de silício, sendo agravado pelo fato desse aparelho não ter controle de balanço.

Havia prometido a mim mesmo que tiraria fotos e responderia a pergunta no dia seguinte. E o que vi me causou estranheza.

 

Esse par de transistores, após minha consulta e leitura do esquema eletrônico, são originais. Sim, um deles é de germânio e o outro é de silício; mas são pares complementares (NPN + PNP). Ou seja, o problema não se trata da diferença entre os pares de transistores, mas sim sobre a percepção do problema. Há uma diferença na alimentação dos componentes por provável falha ou fora de especificação de outro componente. Esse aparelho não possui tripots para ajustes.

Transistor Motorola: P/N 417-101 = TA2577A (equivalente)

Outro Transistor: P/N 7 99-7140 = 2N2148 (equivalente)

 

O capacitor da fonte é de somente 4700 microFarads. Ridículo

E chego a conclusão de que bateu preguiça em avaliar o problema no último técnico a visitar. Digo isso porque o serviço foi muito rápido comparado ao penúltimo profissional, que ficou com o aparelho por 1 mês e não o pôs para funcionar. Esse seria um dos aparelhos mais simples em sua arquitetura e nem assim foi bem-sucedido.

O aparelho funciona? Sim

Com sua plena potência? Nem de longe.

Um desafio para que for consertar? Tá de sacanagem…