Imprimindo uma marca

Alguns sonhos nunca saem da sua cabeça. São eles que te motivam a acordar pela manhã e fazer algo útil, produtivo e deixando um legado. Esse legado é o que me incomoda hoje. E muito.

Há uma palestra carregada no youtube do Mario Sergio Cortella, no qual ele pergunta: se você não existisse, que falta faria? A pergunta ela te induz a uma resposta emocional, onde com certeza a resposta seria direcionada à sua família e seus amigos. Mas não é bem isso que ele quer saber: a resposta deveria ser sobre sua imortalidade de idéias e de atitude.

Eu venho maquinando a muito tempo sobre fazer algo diferente do que faço agora, mas não distante do que já lidei. Quando entrei para Engenharia Mecânica na Universidade Santa Úrsula, meu foco era a industria automotiva donde comecei sendo estagiário do laboratório de motores desta instituição tamanho meu entusiasmo. Depois obtive diplomas da Chevrolet por meio de cursos na Semana de Engenharia. Por mais que queiramos muito uma coisa, tenho certeza de que o destino te empurra para uma lado, não te dá satisfação e também você não percebe que mudou o rumo quase por completo. Sua mente fica dormente e uma cegueira te aplaca quando você começa a ganhar algum dinheiro com isso. Aliás, você sempre considera que deva haver alguma recompensa pleo trabalho realizado.

Essa força foi empurrando, empurrando, empurrando… e foi aflorando uma insatisfação incomoda; e deveria ser assim mesmo. Acredito que a chegada aos 40 anos tornou meu intimo muito mais insatisfeito do que de costume, percebendo que uma vida corria lá fora e aqui, fazia tanto frio. Vida gelada, sem entusiasmo, raros momentos de prazer genuíno. Tocando a vida com uma baseline bem modesta, não havia grandes flutuações de entusiasmo e frustração. Nessas horas, o morno é uma bosta. Não há precaução nem coragem.

Muitos assim querem tocar sua vida, burocrática e sem grandes experiências. Não estou disposto a isso, porque quero ver o por do sol na janela de casa, não na janela do ônibus.

Hoje, baseado nos compromissos que tenho, estou preso a essa realidade de acordar 5:30, botar o macacão, ser burocrático, almoçar, ser burocrático, ir embora 18:15, jantar, ficar com uma cara de idiota frente à tv, ir dormir. Não sou criativo, não sou exigido, não sou destacado, não sou percebido. Isso mexe com o humor, com as relações interpessoais, com a família, com o casamento. Dificilmente há um sorriso.

Qual então seria o meio de mudança prevista, prática e factível? Criar sua própria marca. Produzir e divulgar o seu trabalho, handmade, trabalhar com a função e a estética, lidar com as pessoas, ser estimulado, lidar com o belo e fazer o belo.

Sim, eu posso e sei como fazer.

Sim, eu sei onde e por quanto

Sim, eu sei com quem e aonde.

Mas eu não posso pensar em tocar esse projeto somente quando a vaca for pro brejo. Tenho de arrumar um meio de fazê-lo em paralelo ao que faço, enquanto tenho dinheiro e saúde.

Nada disso vem gratuitamente e nem sem esforço. Requer inclusive muito estudo de como colocar suas criações disponíveis no mercado, de como apresentar uma proposta e de como não cair na tentação de querer ganhar dinheiro no primeiro trabalho. Estudo de Briefing, mercado, publico-alvo, valores e o mais importante, o logotipo.

E alguém quer o meu serviço, minhas idéias e meus produtos nessa crise que vivemos? Sinceramente não sei. Não são gêneros de necessidade mas também não são de luxo. Em uma economia pujante com certeza eu teria clientes. Agora, só dúvidas.

Até agora isso me custou algumas horas de conexão de internet, já pagas e sem franquia. Tá barato.

Vendendo, embalando e expedindo: Technics RS-TR373

Finalmente outro aparelho foi vendido. Esse tape Technics eu queria mais consertar, pois passei a preferir aqueles que vou manter na coleção: Marantz 5420, Akai GXC730D e Nakamichi CR-1A.

O feliz comprador pretende usar peças desse aparelho para recuperar o seu. Acho uma boa idéia, pois visualmente o meu aparelho não está dos melhores. É uma pena que este seja o fim, mas não tem jeito: na natureza alguém morre para outro viver.

O valor foi um pouco mais do que simbólico, pois já incluia o frete. Se saísse muito caro, talvez pedisse uma ajuda para não ficar no prejuízo.

Testando o Gradiente LAB40

Apesar de hoje não ser um dia dos mais descontraídos, acho que não devo ficar me prendendo aos problemas como se fosse uma âncora no fundo do mar.

Este vídeo mostra o amplificador Gradiente LAB40 tocando pela primeira vez depois de ter retornado do conserto. O resultado final do som me surpreendeu, principalmente com a força dos graves. Sua reprodução tem menos médios do que o AKAI AA5210, que atribuo a sua característica e não um defeito.

O único senão foi de que o técnico esqueceu de trocar a lâmpada piloto, induzindo a deixar o aparelho ligado. Já foi conversado e ele se propôs a trocar assim que eu o visitasse.

 

O próximo video será mais elaborado e aproveitar a oportunidade de testar meu novo telefone.

Um tropeço, um achado

O seu dia de sorte não está marcado no calendário fixado na porta da geladeira. Ele está assinalado no calendário Dele.

Se você não sabe que quando escrevemos Ele ou Dele (com maiúsculas), estamos falando de Deus.

Mas quando Ele decide te dar uma canjinha de sorte, você deve agarrar. O meu dia foi nessa Páscoa, onde passei em casa e visitei os próximos quando o tempo permitiu.

Domingo de manhã, meio preguiçoso para ir a uma feira, com agenda apertada devido a um almoço de família e compromisso de comprar para um colega de trabalho um par de lanternas de Puma GTE, passei por uma porta onde a muito tempo não via aberta. Esta era uma oficina de eletrônica, quase em frente ao meu portão de casa, de um senhor que passou 12 anos fora de lá, morando em outra cidade e pagando um aluguel caro. Não era novidade para mim que ali haviam vários aparelhos que poderiam interessar, mas a surpresa foi de que nada havia ido embora, nem estragado. O que era ruim assim ficou, porque era ruim mesmo.

Entrei e comecei a conversar com ele e, acredito eu, que não tenha me reconhecido; nem minha conversa de “cerca Lourenço” em saber sobre os aparelhos. Perguntei sobre os aparelhos “da casa” (são aqueles que passam a ser da oficina por falta de pagamento ou devolução) e ele me disse que muita coisa tinha sido jogada fora. Entre fios desencapados e estantes cambaleantes, pedi permissão para ver o que ele tinha.

Existe o óbvio, como Gradientes e CCEs, que possuem liquidez por causa dos saudosistas que não tiveram oportunidade para comprar um novo, agora podem realizar o sonho e desfrutar daquilo que não podiam.

Existem também aqueles que são os “micro-preto”, pois são mais difíceis de consertar pela falta de peças, mas não pela qualidade construtiva. Decididamente os aparelhos não fariam parte da minha coleção (exceto pela fácil disponibilidade), mas pelo pensamento que corre a minha cabeça:

“E se eu pagar pelo lote, limpar a loja e anunciar para revenda?”

Daria trabalho em demover a pilha, colocar num carrinho, limpar e catalogar. Provavelmente não pediria ajuda a ninguém. Quem tem alergia ou rinite, que fique de fora.

Por um preço razoável, poderia anunciar e ganhar um trocado. Não ficaria rico com isso.

Os tocadiscos basicamente seriam para doação de peças, pois não acredito que algum ali funcione.

Então: faço o trabalho sujo ou deixo passar?

 

Dirigindo pro evento do Nichteroy – abril 2017

Não existe nada pior do que ficar com o carro sem dirigir por um período de tempo. Tudo parece pior, o freio agarra, o injetor engasga, a porta demora a abrir, o pneu fica quadrado…que merda.

Mas eu tive de me forçar a abrir um espaço na agenda para ligar, dirigir e gastar um pouco da gasolina podium no tanque. Fazer os fluidos circularem diminuem o envelhecimento.

Eu acho que estou envelhecendo mais rápido do que o tempo passa.

Precisamos nos movimentar. Eu e o Dodge.

A câmera é do celular, o suporte é do GPS e não usei microfone externo. Quem achar chato avance para o último minuto do vídeo.

Evento do Nictheroy – Abril de 2017

O relógio passa e você não percebe. Faziam 4 meses que não andava com o meu carro. Fazia 1 mês que não voltava pra casa. Fazia muito tempo que não ligava o Dodge.

E isso se torna um problema. Ter um carro e não poder usar te traz mais problemas que economia de dinheiro. Eis que surge uma pergunta: porquê não posso usar?

A resposta é simples: porque não estou próximo a ele e não posso viajar o tempo todo. Sai caro, muito caro mesmo com um carro 1.0 e procurando os postos de combustível com preço mais baixo, mas não me permitindo abastecer com produto duvidoso.

Se eu voltasse pra casa todos os finais de semana, custaria no mínimo R$600,00/mês. Imagine como esse dinheiro poderia ser revertido?

  • Em 2 meses compraria uma quadrijet;
  • Por mês teria um bom receiver vintage;
  • De 3 a 4 jantares em um bom restaurante;
  • A cada 20 dias encheria o tanque do Dodge de gasolina pódium.

Não é questão de ser muquirana. É pensar nas prioridades.

Mas mesmo assim sobrevivo e tento me divertir com o que há. Por isso forcei a minha própria barra em ir ao evento, não esperando encontrar ninguém sequer fazer compras no Sam´s Club. Ainda sim vale à pena.

 

nictheroy_abr_170011nictheroy_abr_170012nictheroy_abr_170015nictheroy_abr_170016nictheroy_abr_170017nictheroy_abr_170018nictheroy_abr_170019nictheroy_abr_170020nictheroy_abr_170021nictheroy_abr_170022nictheroy_abr_170023nictheroy_abr_170024nictheroy_abr_170025