Qualidade, parte 2

          Quando se fala em qualidade, costuma-se a atrubuir a um produto inquebrável, de poderes mágicos. Esquece-se que nada é perfeito, portanto, o dito acima é mentira. A palavra qualidade deve ser usada por um processo ou produto que atende às necessidades propostas ou previstas. Algo que tenha previsão de durar 1 ano e o faz, atingiu o seu objetivo; então teve qualidade.

          Nas etapas de fabricação de um componente, exitem várias modalidades executadas de inspeção e verificação que devem conferir ao processo o atendimento dos valores atribuidos de resistencia, acabamento, durabilidade e eficiência. Na fabricação de um chassi, deve-se atentar ao conjunto de ingredientes para a confecção, obedecendo aos parâmetros do projeto, indicado por alguém que entenda. Vamos adotar um exemplo.

 – Um chassi fabricado em aço, soldado e pintado. Escolhe-se o aço ASTM A 370, ou SAE 1045. O consumível de soldagem (eletrodo revestido ou arame) deve ser de acordo com o material base (o do chassi). Para isso, devemos observar o “P-number”e o “F-number” para a escolha correta. Encontramos estes dados nas normas de soldagem ASME (American Society of Mechanical Engineers) ou AWS (American Welding Society). Esta tarefa pode ser também auxiliada por um Inspetor de Soldagem Nivel I ou II.

 – Os angulos de chanfro, pescoço, amperagem e diâmetro do consumível também são encontrados nestas normas internacionais. Obedeça de acordo com a espessura do material base, a composição química do metal base e do consumível.

– Verifique se é necessário pré-aquecimento do metal base ou tratamento térmico de alívio de tensões após a soldagem. Caso seja uma recomentdação e você não a faça, corre o risco do aparecimento de trincas, mesmo sem ter sofrido qualquer tipo de esforço. Cuidado!!!

– Você confeccionou um gabarito? Existe uma chance enorme de você se dar mal. Vários angulos, curvamentos e dobras podem ser diferentes uma da outra e, portanto, trabalho perdido. A chance de dobramento a frio gerar uma dimensão fora das especificações e tensões é maior do que no dobramento à quente. Se você é bom, dobre um tubo à frio sem fazer rugas…

          Viu como não é fácil? Então aguar porque está começando ainda…

Anúncios

Uma opinião sobre “Qualidade, parte 2

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s