O Globo, 30/10/2010

WASHINGTON – Gravações digitais de eventos da história dos EUA e shows de rádio antigos estão em risco de se deteriorarem mais rápido que as anteriores feitas em fitas, de acordo com um novo estudo publicado nesta quarta-feira. Mesmo em casos de história muito recente – como gravações dos ataques de 11 de setembro de 2001 e da eleição presidencial de 2008 – correm perigo, pois arquivos digitais podem ser corrompidos e os CD-R, amplamente utilizados, duram apenas de três a cinco anos antes dos arquivos começarem a desaparecer, diz o co-autor do estudo Sam Brylawski.

– Estamos assumindo que se está na internet, estará lá para sempre. Esse é um dos nossos maiores desafios – afirma ele. (Leia também: Bibliotecas lançam aplicativos para se conectar com ‘geração iPod’ )

O primeiro grande estudo sobre a preservação de arquivos sonoros nos EUA foi lançado pela Biblioteca do Congresso descobriu que muitos já foram perdidos ou não podem ser acessados pelo público, entre eles a maioria dos programas de rádio entre 1925 e 1935.

Show de astros como Duke Ellington e Bing Crosby, assim como as primeiras transmissões esportivas, estão inacessíveis. Isso porque houve pouco apoio financeiro para empresas como a CBS para armazenar esses arquivos, diz Brylawski.

Arquivos digitais são uma benção e uma maldição. Os sons podem facilmente ser gravados e transferidos e exigem cada vez menos espaço. Mas o problema, afirma Brylawski, é que eles exigem constante atualizações e back-ups feitos por especialistas em áudio, por conta das mudanças tecnológicas. Isso significa um trabalho de preservação ativa, não apenas deixar os arquivos e uma prateleira.

O estudo, do qual também participou o pesquisador Rob Bamberger, foi encomendado pelo Congresso em 2000. Os velhos formatos analógicos são mais estáveis e podem durar 150 anos a mais que as atuais gravações digitais, alertam os pesquisadores. No entanto, a rápida mudança na forma de reproduzir as gravações pode torná-los obsoletos. Por isso, gravações feitas por antigas sociedades e arquivos familiares também estão a perigo.

– Essas fitas cassete são bombas-relógio. Simplesmente não conseguiremos tocá-las – alerta Brylawski.

Existem poucos programas de treinamento de arquivistas de áudio e nenhuma universidade americana oferece curso superior de preservação de áudio, apesar de várias terem cursos relacionados.

Uma miscelânea de leis antipirataria do século XX também manteve a maioria dos arquivos sonoros fora do domínio público. O estudo aponta que apenas 14% dos lançamentos comerciais estão disponíveis através dos donos dos direitos. Isso limita a preservação, afirma Brylawski. Para ele é preciso haver mudanças na legislação, pois da forma como ela está hoje, a maioria das iniciativas de preservação de áudios são ilegais.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s